Manchas na pele são recorrentes na terceira idade e têm tratamento

22 de setembro de 2018

O processo de envelhecimento provoca um grande número de mudanças fisiológicas no corpo humano, e um dos órgãos que mais sofre com isso é a pele.

Os principais problemas que podem atingir a pele na terceira idade incluem a queda na capacidade de formação de colágeno, elastina e ácido hialurônico; a diminuição das glândulas sudoríparas; e a baixa na produção de secreções por parte das glândulas sebáceas.

Além disso, a exposição solar, a negligência a hidratação, o tabagismo, o estresse, a poluição, o sedentarismo, e o consumo exagerado de gordura e açúcares, também contribuem para que a pele apresente alterações na fase idosa, como ressecamento, marcas e sinais.

Os problemas podem abranger desde condições de menor gravidade, como as dermatites e manchas, até doenças mais graves, como o câncer de pele.

A dermatite, apesar de não ser uma condição específica desta faixa etária, aparece exatamente quando a pele vai perdendo sua hidratação e oleosidade natural. Coçar o local pode levar à inflamações por bactérias que se hospedam nas mãos e nas unhas.

O hábito da hidratação, que deve ser adotado em todas as idades, precisa ser intensificado durante o envelhecimento. Beber bastante água e fazer uso de um bom hidratante ajudam a a manter o aspecto saudável da pele em idades mais avançadas.

Com o passar dos anos, é muito comum nos depararmos com um outro problema, as manchas. Sejam elas escuras, brancas ou acastanhadas, todas devem ser observadas e tratadas de maneira adequada.

Consulte um dermatologista para saber o tratamento específico para cada caso.

Fonte: O Debate