Suor excessivo no inverno pode ser hiperidrose

9 de agosto de 2018

É comum o suor durante a prática de atividades físicas, situações conflitantes como raiva ou medo e em locais de clima quente, principalmente no verão. Mas se você está suando excessivamente em temperaturas amenas e/ou em locais frios, mesmo em repouso, você pode estar com hiperidrose.

A condição ocorre quando as glândulas sudoríparas são hiperfuncionantes e pode aparecer por conta de fatores emocionais, hereditários ou doenças. As partes mais comuns na aparição da hiperidrose são as axilas, as palmas das mãos, o rosto, a cabeça, as solas dos pés e as virilhas.

Há dois tipos de hiperidrose, primária focal e secundária generalizada:

Hiperidrose primária focal: aparece na infância ou adolescência, geralmente, nas mãos, pés, axilas, cabeça ou rosto. As pessoas não suam quando dormem ou em repouso. Normalmente, há mais pessoas na mesma família com o mesmo problema. Ela afeta de 2% a 3% da população, no entanto, menos de 40% dos pacientes com essa condição consultam um médico.

Hiperidrose secundária generalizada: causada por uma condição médica ou pelo efeito colateral de uma medicação. Ao contrário da focal primária, as pessoas com a secundária suam em todas as áreas do corpo ou em regiões incomuns. Outra diferença fundamental entre os dois tipos é que no caso da secundária, as pessoas podem transpirar excessivamente também durante o sono. Ela costuma surgir na fase adulta.   Há dois testes para se descobrir a área específica da hiperidrose: o teste de amidoiodo, que consiste em aplicar uma solução de iodo na área suada e, após a secagem, o amido é aspergido sobre a zona. A combinação do amido e do iodo com o suor na região resulta na cor azul escura. O outro método é o do papel de teste:  um papel especial é colocado sobre a área afetada para absorver o suor e, depois, é pesado. Quanto mais peso apresentar, mais suor se acumulou.

Procure um médico para saber o tratamento mais adequado.

Fonte: SBD